Programa de Duplo Diagnóstico

A pedra basilar do programa, a Terapia Sintónica, é formada por um conjunto de espaços terapêuticos, dos quais destacamos:

  • Grupos de Encontro Não Invasivos
  • Grupos Especiais
  • Grupos de Sexualidade
  • Pequenos Grupos
  • Terapia Familiar
  • Terapia de Casal
  • Relaxamento Sintónico
Características Técnicas

A – Modelo da Terapia Sintónica, com especial ênfase na utilização de técnicas que

  • Resolução de conflitos internos do passado
  • Melhoria do auto-conhecimento
  • Individualização

B – Modelo do tipo biopsicossocial, que permita integrar e harmonizar vários níveis complementares de intervenção.

C – Procura-se individualizar objectivos e estratégias de intervenção, começando por criar na Comunidade uma atmosfera de confiança e uma dimensão familiar que faça emergir o contexto do estabelecimento de vínculos significativos entre pares e com o programa. A Terapia Sintónica aposta na estimulação do pensamento simbólico e na capacidade do paciente em entrar em contato com o seu mundo interno de modo a favorecer uma reorganização a partir das emoções. A Terapia Sintónica desenvolve mudanças a nível interno, sendo que a sintonia resulta de uma melhoria da comunicação entre as dimensões consciente e inconsciente da mente, pelo que promove um crescimento individual, promotor da saúde mental e emocional.

D – Esta sub-população “mistura-se” com outros ou outras que não têm exactamente as mesmas características.

Descrição do Programa Específico:

A – Intervenção psiquiátrica, tanto em termos diagnósticos como em termos de administração de medicamentos, quando necessário. A frequência das consultas poderá ser semanal.

B – Capacitação do residente para um projecto de maior autonomia pessoal. Aprendizagem de competências, como cozinhar, jardinagem, limpeza da casa, higiene pessoal, etc.

C – Integração na comunidade com progressão em quatro fases sucessivas e bem delimitadas no tempo, ou duas fases se o residente  se encontrar inserido no programa terapêutico da Casa de Entrada.

D – Adopção do seguinte fluxograma:


Clicar na imagem para ampliar

E – O ponto anterior permite perceber que o programa é em geral flexível e permite alguma escolha aos residentes, favorecendo a sua capacidade executiva em termos mentais.

F – O grupo de residentes, ao desempenhar um papel activo na reabilitação, introduz um factor de influência, em termos horizontais reflectida na hierarquia rotativa e na estimulação das potencialidades individuais.

G – Disponibilidade de técnicas de relaxamento sintónico.

H – Disponibilidade de terapia familiar, nos casos em que exista indicação específica.